Viveiros de mudas, como anda o mercado?

O mercado nacional de viveiros de mudas está em crescimento. Quais são os resultados atuais? Como funciona esse setor? Descubra em nosso artigo!

Segundo dados apresentados em um artigo da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o mercado brasileiro da cadeia produtiva da floricultura atingiu a marca de R$ 10,9 bilhões em faturamento anual. Parte desse lucro se deve ao trabalho de cerca de 8 mil produtores que, entre outras atividades, investem em viveiros de mudas.

Neste artigo, mostraremos um panorama sobre esse mercado. Falaremos sobre as suas várias áreas produtivas e os principais tipos de viveiros. Confira os próximos tópicos!

Qual é o cenário do mercado de viveiro de mudas?

O mesmo estudo citado na introdução mostra que o faturamento com mudas de plantas ornamentais chega a US$ 2,9 milhões. Ao analisarmos esses números, chegamos à conclusão que o mercado de viveiro de mudas está aquecido.

Uma das razões para esse cenário positivo é a grande variedade de espécies florestais, ornamentais, frutíferas, vegetais e de outras culturas, existentes no Brasil. Essa rica fauna leva o nosso país para os primeiros lugares no pódio dos maiores produtores do mundo.

Outro motivo para o sucesso do setor de viveiro de mudas é o aumento da conscientização ambiental. Muitas pessoas e empresas estão se empenhando em restaurar áreas degradadas. Nesse contexto, as mudas são solicitadas para fins de reflorestamento, agricultura, silvicultura e paisagismo.

Impacto do Cadastro Ambiental Rural no setor de mudas

A fim de monitorar e regularizar as áreas rurais, o Governo Federal criou o Cadastro Ambiental Rural (CAR). Esse é um registro público eletrônico nacional obrigatório para propriedades rurais. Um dos objetivos do CAR é combater o desmatamento e impulsionar o planejamento ambiental.

Devido a essa ação governamental, muitos produtores rurais começaram a procurar por mudas de árvores nativas. Em algumas regiões, a preferência é por Paineiras, Ipês e Jequitibás. Não importa a espécie, o mercado nacional está pronto para atender as demandas internas e externas.

Conhecendo os tipos de viveiros de mudas

Como forma de conhecimento, o viveiro é o ambiente no qual as mudas são cuidadas até que possam ser plantadas em um local definitivo. Na prática, existem diversos tipos de viveiros. A seguir, apontamos alguns deles.

Viveiros de mudas temporários

Os viveiros temporários são destinados à produção de poucas mudas. O tempo de permanência delas é curto e limitado. No geral, esses ambientes tem estrutura simples e se localizam próximos à área do plantio. Entre os tipos de mudas destinadas a esse tipo de viveiro, podemos citar: hortaliças, flores de corte, plantas ornamentais e forrageiras.

Viveiros de mudas permanentes

Esses viveiros são construídos para a produção de grandes quantidades de mudas. O objetivo é comercializá-las em larga escala. Em virtude de serem projetados para durar um tempo maior, os viveiros permanentes são edificados com materiais resistentes.

Além disso, se localizam, no geral, próximos a mercados consumidores. Como exemplos de mudas que são inseridas nesses ambientes, estão: árvores florestais e frutíferas, plantas aromáticas, medicinais, endêmicas ou nativas.

Sem dúvidas, o mercado de viveiro de mudas ainda tem muito para se expandir. Como vimos neste artigo, se depender do Brasil, os anos futuros serão marcados por boas margens de lucros para os produtores.

O que achou do nosso artigo? Gostou de entender como está o cenário do mercado de viveiro de mudas no Brasil? Quer impulsionar a gestão de produção do seu negócio? Então, potencialize os resultados com software de gerenciamento de produção da Masterplanti!